FOTOGRAFIA E COLONIALISMO NA MOSTRA VISÕES DO IMPÉRIO

Em cartaz até 30 de dezembro no Padrão dos Descobrimentos em Lisboa, a exposição Visões do Império mostra como a fotografia foi usada para disseminar uma imagem distorcida e idílica da maneira com que os portugueses administravam e mantinham seus territórios. A ideia da exibição surgiu a partir do documentário homônimo, dirigido pela realizadora Joana Pontes, que propôs uma reflexão sobre a utilização da fotografia durante o Estado Novo, para criar uma narrativa imperialista dos territórios colonizados.

Joana é também a curadora da exposição que, juntamente com o historiador Miguel Bandeira Jeronimo, reuniu mais de uma centena de imagens oriundas de coleções públicas e privadas, assim como do acervo de movimentos que lutaram pela descolonização.

Os curadores ressaltam que muitas vezes as fotografias foram encenadas e, posteriormente, divulgadas para alimentar a ideia da dominação colonial, mas ao mesmo tempo servem também como um poderoso instrumento para denunciar a perversidade e a violência dessa colonização.

Para quem ficou interessado e não está em Lisboa, é possível ao menos acessar virtualmente o livreto da exposição, que além de uma boa quantidade de imagens, traz também os textos que acompanham cada um dos núcleos. Basta acessar esse link.

 

Visões do Império

Até 30 de dezembro no Padrão dos Descobrimentos

Av. Brasília, 1400-038 Lisboa, Portugal