CATALOGUS, PROMOVENDO A LITERATURA MOÇAMBICANA

Lançado no último dia 31 de julho, o portal Catalogus foi criado com a intenção de mapear, registrar, divulgar e promover autores da literatura Moçambicana que vivem no país de origem e em outras partes do mundo.

Concebido pelos escritores Eduardo Quive e Mélio Tinga, o projeto pretende se tornar o principal meio de acesso aos autores de seu país, fornecendo informações, biografias, bibliografia, fotos oficiais, textos e vídeos. Embora tenha entrado no ar com apenas 20 nomes, a ideia é que até o final do ano chegue a 100 e que em um futuro próximo O Catalogus possa contribuir para estabelecer contatos e intercâmbios entre autores de todos os países de língua portuguesa.

Em uma entrevista ao site moçambicano Entre Aspas, Eduardo Quive explica que o Catalogus é acima de tudo um espaço de diversidade e democratização do espaço literário, servindo não apenas a quem já é conhecido, mas servindo a todos os autores, e aproveita para esclarecer que a ideia não é falar apenas de literatura no sentido tradicional do termo, mas em todo o tipo de publicação, sem nenhuma posição reducionista, e reforça que a plataforma, não pretende julgar ou qualificar as obras literárias, mas unicamente divulgar a informação e deixar que a sociedade faça as suas devidas escolhas.

Com fácil navegabilidade, o site traz uma seção com todos os autores, outra de notícias onde são divulgadas informações sobre concursos literários, críticas, entrevistas, eventos e lançamentos. Há também um link para matérias sobre o Catalogus publicados na imprensa, uma loja virtual, que ainda conta com poucos produtos, e o Quem Somos, com informações sobre o projeto e seus criadores, o poeta, escritor e jornalista Eduardo Quive, que também é um dos fundadores do Movimento Literário Kuphaluxa, e Mélio Tinga, autor de dois livros de contos e designer visual.

 

Crédito das fotos: www.catalogusautores.com