FIXE INDICA TÍTULOS DE LITERATURA LUSÓFONA CONTEMPORÂNEA

Ao falar em literatura lusófona é preciso levar em conta o contexto cultural, geográfico e político em que cada autor se situa e, se possível, refletir sobre o papel da língua portuguesa em um cenário pós colonial, entendendo que o uso de uma língua comum não significa uma unidade de idéias, visões e estilos. E é justamente nessa diferença que se encontra todo o poder e beleza dessa produção literária.

A língua é um instrumento de comunicação entre as pessoas, mas também um modo de expressão, de manifestação cultural que pode ser subvertida, apropriada e até mesmo ser transformada em um meio de resistência.

Pensando nessa multiplicidade, a curadoria do FIXE preparou uma pequena lista de obras recentes de autores em língua portuguesa que merecem ser lidos.

 

Ailton Krenak (Brasil)

Ideias para adiar o fim do mundo  (prosa, 2020)

 

Carla Akotirene (Brasil)

Ó pa í, Prezada (2020)

 

Germano Almeida (Cabo Verde)

O Meu Poeta (prosa, 1990)

 

Grada Kilomba (Portugal)

Memórias da plantação: Episódios de racismo cotidiano (prosa, 2019)

 

Itamar Vieira Junior (Brasil)

Torto Arado (ficção, 2019)

 

João Paulo Borges Coelho (Moçambique)

Crônica da Rua 513.2 (prosa, 2020)

 

Kala Epalanga (Angola)

Também os homens brancos sabem dançar (ficção, 2018)

 

Marcia Kambeba (Brasil)

Ay Kakyri Tama: Eu Moro Na Cidade (poesia, 2018)

 

Matilde Campilho (Portugal)

FLECHA (prosa, 2020)

Jóquei (poesia, 2015)

 

Monique Malcher (Brasil)

Flor de Gume (prosa, 2020)

 

Odete Semedo (Guiné Bissau)

Literaturas da Guiné-Bissau – Cantando os escritos da história (2011)

 

Ondjaki (Angola)

Há gente em casa (poesia, PT, 2018)

 

Paulina Chiziane (Moçambique)

Niketche: Uma História de Poligamia (prosa, 2001) 

 

Paulo Rafael (Brasil)

O Mundo Cá Tem Fronteira: Aventura Brasil-Cabo Verde (prosa/literatura infantil, 2013)

 

Contos de Moçambique (Moçambique, série de 10 livros)

http://www.kapulana.com.br/serie-contos-de-mocambique/