INDICAÇÕES CURATORIAIS DOS BOLSISTAS FIXE

A primeira edição do Festival FIXE trouxe uma proposta de conexão com jovens periféricos da cidade de São Paulo. Através de um chamamento, foram selecionados seis Curadores Bolsistas que, junto a um mentor indicado pelo FIXE, estão desenvolvendo um trabalho de pesquisa e curadoria artística para apresentar novos talentos nas mesmas áreas trabalhadas pelo festival: música, cinema (audiovisual), artes visuais, literatura, teatro e gastronomia. A cada semana apresentaremos as sugestões de um desses curadores. Hoje iremos conhecer as recomendações de Pedro Jorge.

MÚSICA
_________________________________________________________________________________________

SODOMITA OLIVEIRA – Travesti preta periférica da zona leste de São Paulo, tem 28 anos, é compositora e mc independente, performer, chanter, commentator na casa de vogue House Of Mutatis. Atualmente, Sodomita tem se dedicado mais ao seu lado artístico, compondo, rimando, procurando sempre mostrar a realidade do que é ser um corpo preto e trans neste país que mais mata corpos dissidentes.

 

CINEMA
__________________________________________________________________________________________

LÉO MOREIRA SÁ – 52 anos. Homem trans, ator, dramaturgo e lighting designer. Após um período como dependente químico, largou as drogas e passou alguns anos se depurando daquela tóxica trajetória suicida, e tentando se recuperar dos grandes estragos que essa fase química causou a um homem trans de meia idade, sem emprego, vivendo numa cruel precariedade. Foi quando a sorte, o destino ou a providência divina, fez com que ele reencontrasse, em 2009, com o diretor Rodolfo Garcia Vazquez, da Cia de Teatro Os Satyros, que foi seu colega no curso de Ciências Sociais da Universidade de São Paulo. Sensibilizado com a situação do amigo, Rodolfo o colocou como técnico de iluminação do Espaço 1 e, três meses depois, o convidou para entrar no elenco do espetáculo Hipóteses Para O Amor e a Verdade, que falava da solidão das pessoas que viviam no centro de São Paulo. Léo performava um fragmento da sua intensa vida louca. Não havia personagem – o “Homem bomba” era ele mesmo, um guerrilheiro em busca do amor perdido. Entrar no palco assumindo sua transexualidade foi mágico e um divisor de águas. Ele estava definitivamente trilhando o caminho artístico com a bênção de Baco e Afrodite.  A partir de 2014, passou a ser chamado para o elenco de séries de TV produzidas para o canal HBO e Space e recentemente foi aprovado para o elenco de uma nova série da Amazon. Léo também teve importantes participações em quatro longas metragens e já protagonizou três curtas.

 

TEATRO
__________________________________________________________________________________________

DANIEL VEIGA –  Homem trans e preto, Daniel Veiga é dramaturgo, roteirista, ator, e diretor teatral. Atual docente no curso de dramaturgia da SP Escola de Teatro. Acaba de ganhar um Kikito no Festival de Cinema de Gramado como Melhor Ator no curta Você Tem Olhos Tristes de Diogo Leite e em 2020 também escreveu o roteiro para o projeto Ocupação Lima Duarte no Itaú Cultural, em São Paulo.

LITERATURA
__________________________________________________________________________________________

TIELY –  É multiartista e cria da Zona Leste de São Paulo. Considerado o primeiro Homem trans do rap nacional, vem colecionando atuações importantes nas artes em geral desde o início da sua carreira em 1989. De cineasta a rapper, de escritor a historiador, de animador de festa infantil a ator de novela e musical, professor e arte-educador de teatro, foto e vídeo para jovens, até praticante de esportes amadores como jogador futebolístico da várzea, rugby e boxe; tudo vem somando à sua trajetória de maneira intensa. Também publicou artigos, romances e poesias em blogs, sites, coletâneas e publicações acadêmicas. Tiely iniciou seus trabalhos nos anos 90 como ator e fotógrafo em cursos públicos e também como rapper e produtor de um dos grupos pertencentes da Aliança Negra Posse. Em sua atuação em projetos culturais, sociais e esportivos, busca sempre pautar as violências contra LGBTQIA+s, mulheres, direitos, gênero e cultura. è autor do livro Transcorpoético.

MODA /ARTES VISUAIS
__________________________________________________________________________________________

EUNICEUNICE – 23 anos, corpo não-binário negro morador da quebrada do Guarapiranga, Zona Sul de São Paulo. Artista independente, é formado em cinema e fotografia pelo Instituto Criar de TV Cinema e Novas Midias. Vive transitando em diversos mundos da arte trabalhando com fotografia, vídeo, coloração e trilhando o caminho da sua marca de roupas desde 2017 onde sua ideia era representar algo sem gênero para si mesmo. (nota do editor: A foto de destaque da matéria é dele)

GASTRONOMIA
__________________________________________________________________________________________

LUCAS FERRAZZA –  É uma Bixa Preta e Gorda. Nascido em Florianópolis-SC mora em São Paulo há sete anos e trabalha como produtor cultural e cozinheiro. Sua trajetória na cozinha surgiu pela necessidade de ter uma renda enquanto cursava faculdade de teatro. Começou a trabalhar em restaurantes como garçom e auxiliar de cozinha mas, decidido aprimorar seus conhecimentos na área da gastronomia, veio a São Paulo onde passou por restaurantes como Jazz B, Bou Tartineria, Vaca Atelier Culinário, Paribar, Gorilla Food Truck e Térreo Bar. Em 2017 Lucas idealizou a sua marca, a Cozinha Fermenta, comercializando produtos voltados para panificação e confeitaria. Em 2019 a Cozinha Fermenta inicia sua pesquisa unindo gastronomia, arte e educação se aprofundando pelas Cozinhas Pretas brasileiras e suas memórias e ancestralidades. A partir daí, em uma parceria com o SESC SP, ainda em 2019 a @cozinhafermenta lança a primeira edição da Residência Cozinha Preta, oferecendo uma curadoria de atividades, cursos, palestras e aulas-show entre artistas e cozinheires pretes para jovens interessados a ingressar profissionalmente na área. Até hoje a Cozinha Fermenta continua se dedicando à pesquisa e realizando trabalhos nessa área e ainda realiza serviços de catering para audiovisual, teatro e dança. Atualmente Lucas integra a Adiposa Facção, grupo de estudos entre corpes gordes racializades; é produtor colaborador do Núcleo Negro de Pesquisa e Criação na área do teatro e audiovisual e do Dona Ruth Festival de Teatro Negro de SP, e também é produtor executivo da Agbalá Conta, Núcleo de Contação de histórias de Contos Africanos e Mitologia dos Orixás.

 

Créditos das fotos:

Foto de capa: euniceproducoes19.wixsite.com/my-site

Daniel Veiga: danielveiga.art

Tiely: instagram @tielyqueen

Euniceunice:  site euniceproducoes19.wixsite.com/my-site/marca

Lucas Ferrazza: Instagram @boipretogordo