SAIBA QUAIS FORAM OS SELECIONADOS PARA CURADORES BOLSISTAS

Para a sua primeira edição, o Festival FIXE desenvolveu uma proposta de conexão com jovens periféricos de São Paulo e apresentação de novos talentos.

Através de um chamamento, foram selecionados seis jovens Curadores Bolsistas que desenvolverão um trabalho de pesquisa e curadoria artística revelando outros jovens talentos das periferias da cidade para o Portal Fixe nas mesmas áreas artísticas trabalhadas pelo festival: música, cinema (audiovisual), artes visuais, literatura, teatro e gastronomia. Cada uma dessas pesquisas será desenvolvida durante um mês e terá a orientação de um mentor indicado pelo FIXE. O resultado será amplamente divulgado em nossas redes e no portal, dando visibilidade à nova produção artística e ampliando a conexão, não apenas entre os participantes, mas em toda a rede que será formada a partir da curadoria do festival.

Conheça agora os seis Curadores Bolsistas selecionados:

 

BRUNA FERNANDA VIEIRA SILVA –  É educadora e pesquisadora residente na zona norte de São Paulo, no bairro Tremembé. Formada em História pela FFLCH USP, atualmente realiza pesquisa de mestrado no IEB USP sobre gênero e instituições de arte no Brasil das décadas de 1960 e 1970. É punk e trabalha coletivamente com a produção artística, educacional e crítica de agentes periféricos e com outros marcadores sociais não privilegiados.

 

 

 

GRACIELLY GUEDES – Moradora do Grajaú, periferia da zona sul de São Paulo, atua como produtora cultural e audiovisual há seis anos e é estudante de Politica e Gestão Cultural. Sua atuação é pautada na ampliação de olhares e valorização de movimentos marginalizados.

 

 

 

 

KELTON CAMPOS FAUSTO – Artista multidisciplinar, não binarie, 24 anos, Brasilândia, São Paulo, Brasil. Com foco na produção y criação de imagem,  transitando nas linguagens do audiovisual, pintura y performance. Pesquisando y entenddeno como criamos possibilidades de viver as produçōes artísticas decoloniais em vida.

 

 

 

 

NATHÁLIA RACT DA SILVA – É moradora da periferia da zona norte de São Paulo. Estudante de História da UNIFESP, pesquisadora na área de História e Cinema da América Latina. Realizadora da captação de imagem do filme documentário Chile: De Olhos Bem Abertos e participou como organizadora do conteúdo do livro: Fala Carolinas! Mulheres na luta por vida e dignidade! Atualmente faz parte do coletivo Quilombo Invisível, um espaço de debate e fortalecimento de diferentes lutas cotidianas do Brasil e da América Latina.

 

 

 

PEDRO JORGE – Conhecido também como Afr0p, transmasculino negro multi artista da periferia de Sāo Paulo. 23 anos. Fotógrafo, produtor audiovisual, stylist, colorista e modelo. É o Idealizador do Coletivo Fímbria voltado para corpos transmasculinos negros e indígenas que estāo em busca de autonomia profissional e pessoal.

 

 

 

 

VITOR XAVIER – É pesquisador da cultura afro-brasileira e indígena, produtor cultural, estudante de Gastronomia e multiartista. Seu trabalho é sobre legado, inovação e articulação cultural. Com histórico de processos educacionais que fortalecem a criação de patrimônio cultural, material e imaterial. Colaborando em processos na união de jovens criadores periféricos que transformam os atravessamentos diários em arte e vida próspera. Sua potência é movida com a força da ancestralidade. Guiado respeitando valores e estratégias de estímulo a processos saudáveis de integralidade socioeducativa: corpo, mente, espírito, meio ambiente e território.