SAIBA QUEM PARTICIPOU DA PRIMEIRA EDIÇÃO DO FESTIVAL FIXE

A primeira edição do Festival FIXE teve uma programação abrangente que incluiu apresentações musicais, teatrais, debates, bate-papo, oficinas criativas de moda, performances artísticas, eventos gastronomicos e até uma mostra de filmes produzidos em países lusófonos. Para que toda essa programação fosse possível, o evento contou com mais de 40 convidados e artistas. Conheça agora todos os particpantes desta edição.

 

ARTES VISUAIS 

LAILA TERRA – Artista visual formada pela Universidade de São Paulo e atualmente cursa o mestrado em poéticas visuais. Participou de importantes exposições, como a 7 Bienal do Mercosul, Rumos Itaú Cultura, Programa de Exposições Paço das Artes, além de exposições internacionais nos Estados Unidos, Alemanha e Espanha e Portugal. A partir de 2012 se dedicou à construção de uma casa e de um ateliê modernista baseado no arquiteto Mies Van de Rohe. em conjunto com o artista Renzo Assano. Em 2015 se tornou mãe e percebeu a contradição imposta pelo sistema capitalista da arte, que exclui as mães e valorizam os pais. A partir desta vivência da contradição, no começo de 2020, em conjunto com a artista Ana Calzavara iniciou os convites para a criação de uma rede de mulheres, que se resultou na GOMA Grupa. Hoje se dedica igualmente ao estudo do mestrado, ao meu filho, a minha produção artística e a GOMA. 

 

 

KATIA FIERAartista visual e professora, é integrante do coletivo Goma grupa. Doutoranda em artes pela UNESP, seu trabalho está calcado na prática do desenho expandido e na auto-publicação.

 

 

 

 

 

MARIANA VILELA LEITÃO – Artista multimídia e ativista. Mestranda em Divulgação científica e cultural pelo Labjor/Unicamp. Atua como performer desde 2010, transita pelas artes visuais, teatro e literatura. Interessa-se pelo que há entre-corpos: relações e seu campo multidirecional. Tem a linha como objeto conceitual e perspectiva de pensar e atuar no mundo.

 

 

 

 

YASMIM FLORES – Artista plástica, performer e arte-educadora. Vive e trabalha entre Rotterdam, Holanda e São Paulo, Brasil. Sua pesquisa é focada na relação corporal e sensorial com a materialidade do desenho, pintura, música e instalações cenográficas. Graduada em Artes Plásticas na FAAP, efetuou complementação de estudos na École Nationale de Beaux-Arts (ENSBA) em Paris, em 2009.

 

 

 

 

ANGELICA COSTA ARECHAVALA – Artista visual, é formada em Educação Artística com especialização em Arte Integrativa. Desenvolve atualmente pesquisa pictórica sobre o retrato utilizando a escultura, desenho e pintura. As relações subjetivas com o modelo e seu entorno conduz o trabalho e influencia diretamente os caminhos da criação e execução. Em seus autorretratos os jogos entre objeto e sua própria imagem amplificam e conduzem a desdobramentos a partir do objeto inicial.

 

 

 

 

MARCIA CYMBALISTA – É artista visual e professora. Seu trabalho parte da percepção de objetos cotidianos e da experiência da cidade em sua temporalidade, combinando elementos do desenho, pintura, gravura e frotagem. É mestre em Artes Visuais pela ECA-USP e em Artes Gráficas Livres pela Universidade de Artes Aplicadas de Viena, Áustria. Formou-se no bacharelado e licenciatura do curso de Educação Artística da Unicamp. Participa do grupo de mulheres artistas Gomagrupa e do grupo de estudos Rotas do Desenho na ECA-USP. Desde 2002 dá aulas para diversos públicos em cursos superiores, escolas, cursos livres e aulas abertas.

 

 

 

YOHANA OIZUMI – Graduada em Artes Visuais pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo (2019). Prioriza em seus estudos a vivência e a observação da transformação de materialidades e de si mesma. Através da performance, desenho, fotografia e escultura ela propõe provocações de possíveis leituras críticas a respeito de projeções sensoriais do desconstruir, reconstruir e ritualizar. Finalista do PRÊMIO DASARTES 2021. Eleita Artist of The Month pela ArtConnect Magazine February 2021 (Berlim). Contemplada pelo EDITAL FAMA Meios e Processos 2020. Participa de exposições nacionais e internacionais.

 

 

 

CLEIRI CARDOSO – Artista visual e professora, com Licenciatura em Artes Plásticas pela Faculdade de Artes do Paraná (2001) e Mestrado em Poéticas Visuais pela Escola de Comunicação e Artes da USP (2014). Vive em São Paulo onde desenvolve trabalhos relacionados à Imagem Impressa e aos meios de reprodução de imagens.

 

 

 

 

MARÍLIA DEL VECCHIO NUNES – Formada em Artes do Corpo. Vem desenvolvendo como o centro de sua pesquisa frentes de investigação entre códigos de linguagem e deslocamentos do corpo. Utiliza diferentes mídias, como costura, instalação, desenho e escultura. Seu trabalho se assemelha a fórmulas matemáticas de decompor o mundo, onde cria sistemas e mecanismos, que procuram capturar aquilo que não é capturável, num constante movimento entre o que não é dito mas que está à sua volta, entre o salto no escuro e a procura da forma.

 

 

 

 

MÔNICA LÓSS – Doutora em Artes pela Universidade de Barcelona, Espanha, Mestre em Educação e pós-graduada em Design para Superfícies pela Universidade Federal de Santa Maria, RS – Brasil, e pela mesma instituição, é bacharel e licenciada em Artes Visuais. Atualmente vive e trabalha como artista visual e designer em Michigan, Estados Unidos, é membro do grupo de artistas Goma Grupa e vem participando de exposições em diferentes cidades no Brasil, México, Estados Unidos e Europa.

 

 

 

 

 

CINEMA

DAY RODRIGUES – Diretora e produtora, realiza e faz parte de projetos para a linguagem audiovisual com conteúdos relevantes sobre diversidade vs. lugar de poder. Premiada internacionalmente, desenvolve em suas propostas estéticas a narrativa de personagens e especialistas via protagonismo com o alcance das pesquisas e roteiros críticos, abrangentes e antirracistas, estabelecendo um diálogo com a audiência.

 

 

 

 

LICÍNIO JANUÁRIO – Ator, roteirista e cineasta. Nascido em Angola, há 10 vem construindo uma grande carreira em diferentes setores  artísticos no Brasil. Vencedor do  Prêmio Shell de Teatro na categoria inovação(2018) pela idealização e curadoria da Segunda Black, Licínio é um criadores do selo Tela Preta TV, um canal do YouTube com um um aglomerado de programas criados e dirigidos por pessoas negras. Licínio co-roteirizou produziu e dirigiu o curta metragem “A Namoradeira”, que foi selecionado para festivais internacionais como ” e o renomado  “Encontro de Cinema negro Zózimo Bulbul, Brasil, África, Caribe e outras diásporas ”. Em 2020 Licínio lança a plataforma de streaming Wolo TV, a primeira plataforma SVOD na América Latina com foco em dramaturgia negra e conectar a indústria audiovisual dos países lusófonos.

 

 

 

RAFAEL FERREIRA – diretor da produtora Cine Diáspora, em Belém do Pará, conselheiro da APAN (associação dxs profissionais negrxs do audiovisual) e gerente de licenciamento e suporte na streaming TODESPLAY. Mais de 10 anos no audiovisual, trabalhou em cerca de 8 filmes, 7 curtas e 1 longa, premiado na UNESCO com menção honrosa em 2018, foi coordenador também dos festivais, Cinerada, Festival TV Caiçara e Festival Zélia Amador de Deus.

 

 

 

 

WELKET BUNGUÉ – Nascido nasceu em Xitole (Guiné-Bissau) e residente em Berlin, é um artista transdisciplinar, trabalhando internacionalmente como ator e realizador. É cooperador e membro da GDA –Gestão de Direitos dos Artistas, membro Permanente da Academia Portuguesa de Cinema, e da Deutsche Filmakademie.  Seus filmes tem circulado internacionalmente por inúmeros festivais de cinemaCom diversos prêmios recebidos por seu trabalho como ator, atualmente está finalizando seu primeiro livro ‘Corpo Periférico’, um ensaio autobiográfico sobre a produção de cinema de autor com base no conceito homónimo de “cinema de autorrepresentação”. Desde 2016 que trabalha regularmente com a companhia de teatro Mala Voadora (Portugal).É co-fundador da produtora KUSSA, faz locução para entidades internacionais, desenvolve escrita dramática, argumento para cinema, performances e teatro.

 

 

JOYCE PRADO – Cineasta com especialização em Roteiro Audiovisual e fundadora da produtora Oxalá Produções, que produz conteúdos focados em cultura afro-brasileira.

 

 

 

 

 

GASTRONOMIA

ALINE CHERMOULA – Chef de cozinha e historiadora, natural de Feira de Santana, promove a culinária da diáspora africana em seus preparos. Também professora de Gastronomia, Aline resgata sua própria identidade com ingredientes como azeite dendê, farinha de milho branco, tamarindo e amendoim.

 

 

 

 

MARCIA LOUSADA – Nascida e criada em Luanda, Angola, é formada em gastronomia. É formadora e professora na área hoteleira.

 

 

 

 

 

RUDMIRA FULA – natural Dos Dembos-Quibaxe, Província do Bengo/Angola. É Jornalista, formada em Comunicação Social Jornalismo, Atriz, Apresentadora e Modelo. É Idealizadora do Projecto Mira Em África – Um Outro Olhar Sobre O Continente e já realizou trabalhoscomo produtora cultural.

 

 

 

 

 

LITERATURA

 KALAF EPANGA – Escritor e músico nascido em Benguela, Angola e radicado em Berlim. Como músico, foi co-fundador da editora discográfica Enchufada e é membro da banda Buraka Som Sistema (em hiato desde 2016). Escreveu crônicas para o jornal O Público, GQ Magazine (Portugal) e REDE Angola e atualmente escreve para revista literária brasileira Quatro Cinco Um. É também curador da edição African Book Festival 2021 em Berlim. Publicou em Portugal e Angola, duas colecções de crónicas ‘Estórias de Amor para Meninos de Cor’ e ‘O Angolano que Comprou Lisboa (Por Metade do Preço)’. ‘Também os Brancos Sabem Dançar’ (Todavia) É o seu primeiro romance.

 

 

 

YOVANKA PAQUETE PERDIGÃO – Escritora, editora e tradutora da Guiné-Bissau. Nascida em Lisboa, viveu na Costa do Marfim, no Senegal, em Londres e agora em Dublin. Os textos de Yovanka já foram publicados no Guardian, AFREADA, BUALA, Johannesburg Review of Books e mais.  Publicou em 2019 com a Hurst, um livro explorando a cultura, história e arte na África Ocidental e a sua relação com com o Islão. É editora e tradutora na Dedalus com um interesse em histórias por escritores marginalizados.

 

 

 

 

MARCIA KAMBEBA – mestre em Geografia, poeta, escritora, compositora, palestrante de assuntos indígenas, ambiental e amazônico, tem atuação no Brasil e exterior com sarau literomusical, educadora, contadora de histórias, membro da Academia Internacional de Literatura Brasileira nos EUA, tem 4 livros lançados e atualmente é Ouvidora Geral do Município de Belém PA no governo da nossa gente.

 

 

 

 

ROSANE BORGES – É jornalista, doutora em Ciências da Comunicação, professora colaboradora do Colabor (ECA-USP), pesquisadora na área de comunicação, imaginários, política contemporânea, relações raciais e de gênero, conselheira de honra do Coletivo Reinventando a Educação, integrante do grupo Estética e vanguarda do CTR (ECA-USP), articulista da revista Carta Capital, do blog da Editora Boitempo. Autora de diversos livros, entre eles: Espelho infiel: o negro no jornalismo brasileiro (2004), Mídia e racismo (2012), Esboços de um tempo presente (2016).

 

 

 

 

PRETO TÉO – Transmasculino negro em trânsito nas artes da cena e escrita, Preto Téo pesquisa a performance da poesia falada. É autor do livro EP (Padê Editorial, 2018), zine Meia Noite (Móri Zines, 2019) e contribuiu com a Antologia Trans (Invisíveis, 2017).É Integrante do grupo Slam Marginália, com foco nos corpos trans, travestis, não-bináries e todas as identidades dissidentes. Um espaço de reconhecimento, afeto e fortalecimento, pra desakuendar o CIStema valorizando nossa arte babado, marginal e monstruosa.

 

 

 

 

MARIA GIULIA – Jornalista e atriz, é autora de quatro livros, dramaturga e diretora, em 2020 ficou em 4. Lugar na Copa do Mundo de Poetry Slam, da França, representando Portugal. É fundadora do grupo teatral Companhia e Fúria, em que atua, dirige e escreve. Criadora e organizadora do ZONA Lê Mulheres, um sarau em que todas e todos podem ler, desde que textos escritos por mulheres e do Todo Mundo Slam um poetry slam decolonial pensado para cruzar fronteiras. Pesquisa a tradição de mulheres na arte, a importância de um Imaginário feminista,. Em 2012, lançou o manifesto “Por um Imaginário”. Coordena o Núcleo Feminista de Dramaturgia no Pequeno Ato desde 2016, onde ministrou aulas de dramaturgia por 3 anos.

 

 

 

 

MODA

TENKA DARA – Filha de militantes do movimento negro, se formou em artes cênicas, mas foi na moda que encontrou um dos seus principais instrumentos de resistência e luta. Em suas criações, utiliza as com Capulanas, tecido africano de origem moçambicana.

 

 

 

 

WACY ZACARIAS – É uma designer de Moçambique co-fundadora da Karingana Wa Karingana, uma marca de design de superfície e têxtil que se compromete a produzir tecidos sustentáveis recriando estampas africanas tradicionais.

 

 

 

 

 

MÚSICA

AMAURA – Uma das vozes mais promissoras da música Soul e R&B feita em Portugal. Em 2019 lançou seu primeiro álbum solo,  EmContraste, aclamado pelo público e crítica, tornando-a uma das revelações musicais do ano. Em dezembro de 2020, lançou o EP Denso, fruto da vontade da artista de fazer algo diferente, com mais instrumentalização e  sonoridade mais acústica.

 

 

 

 

KUNUMI MC – Rapper da etnia Mbyá-Guarani é considerado um dos principais nomes do Rap Nativo. Tem dois discos já lançados, o EP de estreia, My Blood is Red (2017) e o álbum Todo Dia É Dia de Índio (2018), além de três singles e uma gravação com Criolo, na faixa Demarcação Já – Terra Ar Mar.

 

 

 

 

PEDRO MAFAMA – Dono de uma narrativa única, mistura referências da música eletrônica, urbana com a música tradicional portuguesa, completada por letras com temas contemporâneos.

 

 

 

 

 

RICO DALASAM – Rico Dalasam Precursor da cena queer rap do Brasil é considerado uma das principais apostas da música nacional contemporânea. Lançou em 2015, seu primeiro trabalho o EP Modo Diverso, reunindo 6 músicas autorais que narram suas experiências de vida enquanto jovem, negro e gay, morador da periferia da Grande São Paulo. Rico percorreu um longo caminho, construíu novas narrativas até lançar seu primeiro álbum Orgunga, onde conta seus melhores orgulhos. Em março de 2021 Rico Dalasam lança seu segundo álbum, Dolores Dala o Guardião do Alívio, onde revisita suas emoções, seus afetos, vida e carreira.

 

 

 

DJ MARFOX – Importante DJ e produtor português, é conhecido por um trabalho que mistura dance music com ritmos musicais da diáspora africana. É um dos fundadores do Principe Discos, considerado um dos principais selos da música eletrônica. Já realizou remixes para artistas como Tune-Yards, Panda Bear e Elza Soares, entre outros.

 

 

 

 

B FACHADA – Cantautor, compositor, multi-instrumentista e produtor português,  , lançou cinco EPs (destacando-se o remoto Viola Braguesa, uma reflexão sobre o conceito da tradição e suas traições e o split com as Pega Monstro, de 2015), três mini álbuns  e ainda sete álbuns. Em seu trabalho testa os limites daquilo que, neste domínio, se entende por produção cultural.

 

 

 

 

MARISSOL MWABA – Cantora e compositora, tem seu trabalho marcado pela fusão de influências musicais, principalmente com a música da província do Katanga, no centro da República Democrática do Congo (país original de seus pais). Seu processo de criação e expressão artística alia estas influências a um jeito pessoal de compor e cantar. Além de sua carreira solo, desenvolve parcerias com músicos como o cantor e compositor François Muleka com quem divide a apresentação no Festival FIXE.

 

 

 

 

FRANÇOIS MULEKA – Cantor,compositor e multiinstrumentista brasileiro, filho de pais congoleses, promove uma conexão com sua ancestralidade através de sua música. Com três álbuns e dois EPs lançados,  já realizou diversas colaborações com artistas como Chico César, Luedji Luna e Marissol Mwaba. Além da música François também é artista plástico.

 

 

 

 

SELMA UAMUSSE – Cantora moçambicana residente em Portuga, explora as raízes do seu país de origem, usando ritmos moçambicanos e letras em línguas nativas, com a utilização de instrumentos tradicionais combinados com eletrônica e outras referências que espelham as suas influências. O álbum de estreia, “Mati”, foi amplamente elogiado pela crítica. Em 2020 lançou o segundo disco, “Liwoningo” (que significa luz em Chope, uma língua tradicional de Moçambique), produzido por Guilherme Kastrup, com participações da banda brasileira Bixiga 70, dos artistas moçambicanos Chenny Wa Gune, Milton Guli e Lenna Bahule e do Korista Mbye Ebrima da Gâmbia.

 

 

 

 ZUDZILLA – Rapper gaúcho, da cidade de Pelotas, é também grafiteiro, designer, estudante de artes visuais e considerado uma das maiores promessas de sua geração. O primeiro álbum, Faça a Coisa Certa, ganhou destaque internacional. Após colaborações com nomes importantes como Kamau e Luedji Luna e um disco de jazz junto com o grupo Kiai, em 2019 se juntou ao DJ Nyack para o lançamento do primeiro volume da trilogia Zulu, De Onde Possa Alcançar o Céu Sem Deixar o Chão, que figurou em diversas listas dos melhores álbuns do ano. Indicado ao prêmio SIM 2019 na categoria Novo Talento, é visto hoje como um dos pioneiros dos novos rumos do rap brasileiro.

 

 

 

 

TEATRO

JULIA BARNABÉ – Fundadora da Cia Tu Mateixa é marionetista, palhaça, atriz e produtora. A companhia foi criada a partir da confluência entre as linguagens de bonecos, teatro físico, circo e humor, a Cia. leva o nome catalão “tu mateixa” que significa “você mesma”, uma vez que as marionetes e a cenografia são construídas à mão, em madeira, pela artista que também assina a dramaturgia autoral de seus espetáculos.

 

 

 

 

NELSON BASKERVILLE

 

 

 

 

 

 

ANA NERO

 

 

 

 

 

 

LARISSA NUNES

 

 

 

 

 

 

SIMONE ÉVANZ

 

 

 

 

 

 

GIOVANNA MARCOMINI

 

 

 

 

 

 

LÍGIA FONSECA

 

 

 

 

 

 

PRI CALAZANS

 

 

 

 

 

 

CAROLINA BORELI

 

 

 

 

 

 

JULIA LANINA